segunda-feira, 9 de agosto de 2010

As Grandes Damas do Candomblé - Mãe Menininha do Gantois

  Maria Escolástica da Conceição Nazaré, ou Mãe Menininha do Gantois, em razão do apelido menininha, recebido na infância por ser quieta e franzina, e sua posição no terreiro que veio a assumir. Mãe Menininha era filha de Oxum e foi a quarta ialorixá do Terreiro do Gantois, e a mais famosa de todas as ialorixá brasileiras, foi sucessora de sua mãe, Maria da Glória Nazareth, e foi sucedida por sua filha, Mãe Cleusa Millet. Mãe Menininha vinha de uma longa linhagem de ialorixás. O Gantois foi fundado em 1849, por sua bisavó Maria Júlia da Conceição Nazaré. Na década de 20, foi escolhida para ser a ialorixá do terreiro em virtude da morte de sua tia-avó, Mãe Pulchéria, enquanto se preparava para assumir o cargo, sua mãe ficou por um curto período à frente do Gantois. Aos 29 anos, casou-se com o advogado Álvaro MacDowell de Oliveira, descendente de ingleses e com ele teve duas filhas, Cleusa e Carmem. Admirada pela sabedoria, gentileza, conhecimentos, humildade e pulso firme, Mãe Menininha do Gantois foi a grande responsável pela popularização do candomblé na Bahia, conseguiu agregar pessoas de todas as religiões em seu terreiro, inclusive personalidades como Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Tom Jobim, Caribé, Nina Rodrigues e Vinícius de Moraes, que só vinham a tomar decisões importantes uma vez que consultassem a mãe de santo. Jorge Amado, um dos seus grandes admiradores, dizia que ela era uma filha de escravos que se fez rainha, e que havia orientado o povo baiano com exemplar dedicação e perene bondade. Mãe Menininha, além disso, foi muito procurada por antropólogos e sociólogos, que nela buscavam uma preciosa fonte de informações para redigir suas teses e estudos acadêmicos. A sua importância ficou tão evidenciada, no cenário cultural do País, que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos chegou a emitir um selo comemorativo, em homenagem ao centenário de seu nascimento. A querida mãe-de-santo faleceu no dia 13 de agosto de 1986, aos 92 anos de idade. O Gantois foi sucedido, então, por sua filha mais velha, Cleuza Millet, que ficou sendo conhecida como Mãe Cleusa de Nanã, e que dirigiu o local até 1998. Com a sua morte, a sucessão do terreiro passou para Mãe Carmem de Oxalá - a irmã caçula de Cleuza. Nenhuma delas, entretanto, foi tão amada e admirada quanto Mãe Menininha do Gantois.

4 comentários:

  1. ESSA SENHORA VAI PRESTAR CONTAS DIANTE DO DEUS TODO PODEROSO POIS ELA FEZ MUITO MAL PARA OS FILHOS DELE ELA É UM INTRUMENTO DE SATÁNAS.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. ou Gessiane,antes de vc julgar essa yalorixá olhe pra sua vida primeiro.ñ culpe a mãe menininha pelo fato de vc ñ ter o brilho eo carisma que ela teve.até pq mesmo ela morta vai ser sempre lembrada ñ só por nós como por Deus.e vc vai ser lembrada por quem???.

    ResponderExcluir
  4. Gessiane, vai aprender a ser gente. Antes de criticar mãe menininha, abra sua mente e não fique nesta imbecil visão maniqueísta judaico-cristã! leia, aprenda, se informe, PENSE! seja alguém! o tal satanás na verdade não existe e o bem e o mal está dentro de todos e de cada um de nós indistintamente!

    ResponderExcluir